quinta-feira, 10 de maio de 2012

Nada Mais



Mulheres (Mara Pittaluga)
Chuva fina lentamente cai

Gota a gota

Cortina de cristais

O tempo escoa na correnteza

Tanto faz...

Sentir o dia devagar

Semear o trigo

Raio de sol, areia, pedras, rotas, repartir o pão

Versos e rimas,  vermelho romã

Nada mais...
 Ana Coeli


13 comentários:

  1. Uma linda chuva em belos versos.Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Aqui o tempo está nublado. Dia escuro, frio, feio mesmo. Seu poema trouxe-me o sol novamente.

    ResponderExcluir
  3. Palavras com um significado intenso, chegam à alma...
    beijinhos Ana
    CVB

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana, passei aqui para conhecer teu blog e adorei o que li! Linda poesia, mas você falou em romã e lembrei de minha infância, adoro romã, mas tem muito tempo que não como. É uma delícia ... Beijos

    ResponderExcluir
  5. Dia de domingo é dia de visitar os amigos mais queridos e desejar coisas boas ...
    Venho derramar sobre ti meu carinho mais doce para deixar seu domingo mais abençoado !!!!!!
    bjs de dia de domingo !!!

    SAUDADESSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

    ResponderExcluir
  6. É fácil estar feliz em dias radiantes. Mas só os especiais conseguem extrair bons sentimentos e criar coisas bonitas nos dias feios.
    bj

    ResponderExcluir
  7. Gostei de passar por aqui!

    Beijo da Nita.

    ResponderExcluir
  8. É isso, mesmo, Ana Coeli - Nada mais... Gosto da estética, gosto da poesia e de suas palavras. A respeito do filme, "Juventude" de Bergman eu o encontrei no Shopping Terceirão. Vale a pena conferir, Ana. Um abraço...

    ResponderExcluir
  9. Olá bom dia adorei seu blog lindo.
    beijokas.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. É!... E com esse respingar da chuva, embrenho-me em leituras e pensamentos, a buscar respostas em uma madrugada turva, e encontro-me, outra vez, com meus aglomerados pensamentos, a me clamarem por buscas e buscas...e percebo que o amanhecer encontra-se da iminencia de chegar... e leio, e penso, e divago!...Quem sabe, na próxima madrugada eu não encontre e crie um poema ao sono, ao povir!...(JDCFilho)

    ResponderExcluir